Campos Elíseos

Relatos de moradoras

29257528_204323033492726_3445424052920491638_n

Sirlene Gama Saad, 58 anos, que comanda um restaurante de comida baiana em Campos Elíseos:

“Não dá para chegar aqui e colocar o pessoal para fora, como se não existisse. Vão construir um hospital e a gente vai pra onde? A gente só está pedindo uma moradia digna na área, porque nós estamos aqui há quase 30 anos, e eu acho que a prioridade tinha que ser nossa. Nós é que construímos esse centro aqui; eu dei meu sangue aqui, paguei meus impostos a vida inteira e continuo pagando. Na minha vida eu tive dois maridos, e os dois eu conheci aqui no meu comércio. A minha vida se resume a esse bairro; eu tenho 28 anos em São Paulo, acredita se eu disser que não conheço a 25 de março? Eu entro às 6h da manhã e só saio à meia-noite daqui do meu comércio, porque eu não deixo na mão de ninguém. Só o fato de pensar em um dia ter que sair daqui eu já fico doente.”

 

29683334_204323616826001_6325683530340453718_nJanaína Xavier, 37 anos, que mora numa ocupação em Campos Elíseos, bairro onde já vive há nove anos:

“Estão acabando com as famílias que moram ao redor da Luz. Se tem pessoas de longe vindo morar aqui, então nós também temos o direito de ficar. As pessoas daqui precisam é de oportunidade, os jovens precisam ser incentivados a estudar e a trabalhar, portas de emprego precisam se abrir para as pessoas daqui da região. Esta semana minha filha chegou com os olhos cheios de lágrimas da escola, falando ‘mãe, vai ter confronto, de novo as bombas’, porque tinha visto a polícia na esquina. A situação de quem está ali no fluxo é muito complicada. Cada um tem um motivo para se encontrar na droga hoje. Tem gente ali que tem estudo, tem gente de todo tipo. Uma vez eu estava conversando com três rapazes ali embaixo e eles me disseram que, se eles tivessem uma oportunidade, eles conseguiriam sair dali, voltar para as famílias e serem vistos pela sociedade de um jeito diferente. Eu também fui usuária de drogas, estou limpa vai fazer sete anos, e teve alguém que apostou em mim”.

 

29543022_204324373492592_8890050412276470770_nRenata Moura Soares, moradora e comerciante da quadra 36 no bairro Campos Elíseos:
“A quantidade de tempo que eu moro aqui? A vida inteira. Fui nascida e criada no centro, estou desde os tempos da antiga rodoviária. Para nós que estamos acostumados a viver aqui, por trabalho, por todo o conhecimento, é muito difícil sair. Já faz uns nove anos que eu tenho comércio aqui na região, e a gente nunca consegue legalizar a documentação. Teve uma época em que a prefeitura fechou meu bar, que ficava ali na Helvétia, e eu comecei a vender marmita na rua, no fluxo. A gente tenta dar um jeito, e sempre acaba vendendo bem, porque já conhece muita gente.”

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s